Casamentos da Família Real Britânica

Por Filipa Rosa, Inês Caseiro, Liliana Ferreira e Mariana Rodrigues

Todos nós já ouvimos falar ou assistimos a alguns dos casamentos reais britânicos e é já inegável o destaque da monarquia do Reino Unido no que toca à realização destas cerimónias de enorme elegância. Tratam-se de matrimónios bastante marcados pelas suas tradições e simbologias próprias, sendo seguidos em direto por milhões de pessoas em todo o mundo. No local do casamento, nunca faltam as eufóricas multidões que acompanham de perto a união dos membros reais, como se de familiares se tratassem. 

Foi o noivado da rainha Victoria com o príncipe Albert, celebrado no dia 10 de fevereiro de 1940, que iniciou uma grande jornada de casamentos mediáticos. Desde 1947 até aos dias de hoje, entre muitos outros, houve quatro casamentos incontornáveis que ficaram na história: a rainha Elizabeth II com o príncipe Philip, a princesa Diana e o príncipe Charles, o príncipe William e a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, e, por fim, o ex-príncipe Harry com a ex-duquesa de Sussex Meghan Markle.

Rainha Elizabeth II e Príncipe Philip

Fonte: Vogue

Conheceram-se em 1934, anunciaram oficialmente o noivado no dia 9 de julho de 1947 e, quatro meses depois, às 10:30h de 20 de novembro de 1947, casaram na Abadia de Westminster. O casamento da rainha Elisabeth II com o príncipe Philip contou com 2000 convidados e foi o primeiro a ser transmitido ao vivo, pela BBC Radio, para 200 milhões de pessoas.

Na manhã da boda, a tiara da rainha partiu-se e o príncipe Philip foi abordado pela autoridade por conduzir em excesso de velocidade: “Desculpe, senhor agente, mas tenho um compromisso com o arcebispo de Canterbury”.

O buquê foi composto por orquídeas brancas e um ramo de murta, uma tradição iniciada pela rainha Victoria, e a aliança foi feita a partir de uma pepita de ouro galesa originária da mina de Clogau St David, em Dolgellau. O bolo de casamento continha ingredientes de todas as partes do mundo e tinha quase três metros de altura, o que correspondia a quatro andares.

Foram casados durante 74 anos e, de uma forma resumida, é assim que se conta esta história de amor: “Comportamo-nos como se nos pertencêssemos um ao outro há anos”, escreveu a monarca britânica sobre Philip, numa carta dirigida aos seus pais.

Desenho da autoria de Inês Caseiro

Príncipe Charles e Diana Spencer, duques de Gales

Fonte: Updown

6 meses de um namoro começado de forma repentina, mesmo com os quase 13 anos que os separavam, foram suficientes para o pedido de casamento de Charles a Diana acontecer. O filho da rainha fora pressionado para avançar para o noivado, o que se revelou um ato precipitado.

O casamento de Lady Di e do príncipe Charles teve lugar na Catedral de São Paulo, em Londres, onde Diana chegou num veículo de cristal. As ruas encheram-se de 600 mil pessoas que esperavam obter, pelo menos, um vislumbre do casamento do século. A cerimónia teve 3500 convidados.

O vestido de Diana foi algo de extravagante para o público britânico – coberto com 10 mil pérolas, com uma cauda de mais de 7 metros de comprimento e um véu elegante e longo, o qual foi combinado com uma tiara e sapatos de cetim, com pérolas a condizer. Diana foi a primeira da família real a retirar a palavra “obedecer” dos votos de casamento. Mais ainda, marcou a diferença ao trocar os nomes do noivo, colocando Philip antes de Charles – o primeiro nome do príncipe é realmente Charles.

O casamento, mais tarde classificado como infernal por Diana, foi acompanhado por 600 milhões de espetadores pelo mundo, sendo um dos mais vistos de sempre.

Para uma experiência de realidade aumentada, aponte a câmara do seu smartphone e assista ao vídeo que resume os momentos mais relevantes da cerimónia de casamento dos Duques de Gales. Alerta-se para a necessidade de permitir o acesso à câmara pela aplicação, de forma a que a experiência de realidade aumentada seja concretizada com sucesso.

Príncipe William e Kate Middleton, duques de Cambridge

Fonte: L’officiel

O pedido de casamento de William a Kate ocorreu em 2010 durante uma viagem ao Lewa Wildlife Conservancy, um santuário da vida selvagem, localizado no Quénia. O polémico anel de noivado de safira e diamantes oferecido pelo príncipe a Kate pertencia à mãe, Diana Spencer.

O casamento albergou 1900 convidados e os seus típicos presentes foram substituídos por doações de caridade, por decisão dos noivos. Em contrapartida, os convidados viram-se presenteados com um guia de 22 páginas sobre como se comportarem no casamento.

Também o vestido de noiva não passou despercebido. De cintura estreita um pouco acolchoada, aplicações bordadas à mão na saia e no corpete e com uma cauda com mais de 2 metros de comprimento, impossível seria não recordar esta peça emblemática. O vestido fora confecionado pela estilista Sarah Burton com uma equipa de 50 pessoas e foi apenas alguns dias antes da cerimónia que a peça começou a ganhar forma, de modo a adaptar-se perfeitamente ao corpo de Kate no grande dia. A noiva exibiu ainda um segundo vestido no copo-de-água.

O ramo da noiva continha murta, lírios-do-vale, jacintos. Também os sweet William marcaram presença no buquê, o que não passa despercebido como uma requintada concordância entre o nome das flores e do homem com quem Kate constituía, naquele momento, uma ligação para a vida.

Príncipe Harry e Meghan Markle, duques de Sussex

Fonte: Forbes

Numa noite de junho de 2016, Meghan e Harry conheceram-se num blind date organizado por uma amiga em comum, a diretora de relações públicas da Ralph Lauren, Violet von Westenholz. Harry ficou desde logo apaixonado; já a atriz americana quis confirmar com a sua amiga se o príncipe era gentil antes de tomar um próximo passo. A relação foi mantida em segredo durante quatro meses, até ser divulgada pelo tablóide britânico The Express, o que despoletou uma série de ataques à ex-atriz.

Dia 19 de maio de 2018 marcou o casamento entre Meghan Markle e Harry na Capela de Saint George, em Windsor. O vestido de noiva foi criado pela designer britânica Clare Waight Keller, diretora artística da Givenchy. O modelo minimalista de seda foi concebido em Paris e era composto por um decote barco, mangas de três quartos e um véu de seda com cerca de cinco metros de comprimento, com motivos florais bordados onde se encontravam representados os 53 países da Commonwealth. O vestido não tinha renda ou qualquer outro enfeite.

Para o copo-de-água, Meghan trocou o vestido de noiva por um vestido de gala igualmente branco, assinado, desta vez, por Stella McCartney, filha de Paul McCartney, conhecido membro dos Beatles. No total, o casamento contou apenas com a presença de 600 convidados, no entanto, mais de 18 milhões de britânicos acompanharam a cerimónia pela televisão. A ausência do pai de Meghan no noivado fez correr muita tinta nos meios de comunicação.

  • Caso “Megxit”

Apesar da bonita cerimónia de enlace entre Meghan e Harry, o paraíso vivido pela monarquia britânica tinha os dias contados. Cerca de ano e meio após o casamento, irromperam várias divergências que conduziram ao afastamento do casal da família real. Este mediático acontecimento ficou conhecido por “Megxit”, cujos contornos deixaram o mundo boquiaberto.

Agora, vamos testar conhecimentos:

Submit a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.