As Filhas da Rua

Uma via sacra

A Fernanda é uma mulher de nacionalidade Cabo-verdiana, Proveniente de uma família muito pobre. Quando fez um ano, teve sarampo e perdeu a vista esquerda, tendo colocado uma prótese ocular.

A nível escolar frequentou o ensino primário até ao quarto ano, uma vez que era a mais velha de cinco irmãos, e teve de tomar conta deles e das lides domésticas. Quando fez 15 anos o pai que trabalhava na construção civil em Portugal, vai buscá-la a Cabo-Verde e coloca-a a trabalhar como empregada doméstica interna, na casa de uma família na zona de Alvalade, pensa que o pai a coloca a trabalhar nesta casa, pois suspeita que ele mantinha uma relação amorosa com a dona da mesma.

Neste período, todo o dinheiro que ganhava, enviava para a mãe em Cabo-Verde. Durante a estadia na casa desta família, Fernanda refere que sofria maus-tratos, a patroa cortava-lhe o cabelo, humilhava-a e o filho da senhora tentou violá.la. O pai ao saber desta situação, decide levá-la para viver consigo numa pensão.

Aos dezassete anos conhece o futuro marido, trabalhador da construção civil e de origem cabo-verdiana. Engravida pouco tempo depois, casam e vão viver para a zona do Barreiro. Após o casamento começam os maus-tratos por parte do marido que é alcoólico e que a proíbe de trabalhar. Durante o casamento teve três filhos. Após o nascimento da filha mais nova, decide separar-se e vai viver com uma irmã. Esta irmã prostituía-se e começa a levar F. com ela. Nesta casa, dá-se mal com o cunhado e decide mudar-se para a casa de uma amiga que também se prostituía. Prostituía-se na zona do Cais do Sodré e Intendente, residindo em pensões e fazendo o percurso habitual das mulheres prostituídas. Dos cinco filhos de Fernanda um faleceu, devido a complicações decorrentes da situação do HIV aos 16 anos; os outros emigraram.

Ao longo do seu percurso de vida, fez experiências de trabalho, nomeadamente em limpezas, auxiliar de um lar de idosos e como ajudante de cozinha. Esteve internada no Instituto Português de Oncologia, com um carcinoma no útero e fez radioterapia para irradiar a doença. Em 2012, começa a sentir-se debilitada e é internada de urgência no Hospital dos Capuchos, sendo diagnosticada com HIV+. Nesta altura, o marido já tinha morrido devido a problemas de saúde provenientes do consumo de álcool. Neste período a Fernanda vive uma época muito conturbada a nível emocional e sente-se muito mal por saber que está doente. Desorganiza-se totalmente, deixa caducar a autorização de residência e fica indocumentada. É encaminhada para o nosso Centro de Atendimento por uma outra rapariga que já conhecia O Ninho. Já no Centro de Atendimento, começa a tratar da documentação, e a ser seguida a nível psicológico, sendo diagnosticada com uma depressão grave e muita dificuldade em estabelecer relações próximas.

Submit a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.